Não perca nenhuma das nossas notícias e dicas. Assine a nossa newsletter!
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.

Peeling de Cisteamina para Melasma

Saiba mais sobre a mais nova e moderna substância do mercado para tratamento de melasma e redução de hipercromia tecidual.

Peeling de Cisteamina para Melasma

Saiba mais sobre a mais nova e moderna substância do mercado para tratamento de melasma e redução de hipercromia tecidual.

Você já ouviu falar do Peeling de Cisteamina para Melasma?

Ele tem sido visto como uma esperança no tratamento de melasma resistente, por conta do seu poder de ação e excelentes resultados, com baixo índice de efeitos adversos.

Lidar com melasma é um desafio para a maioria dos profissionais que me procuram pedindo auxílio.

Afinal, ele não tem cura mas tem tratamento. Portanto, é preciso estudar muito bem o que se adequa a cada caso e levar a manutenção pela vida toda do paciente.

Com o conhecimento científico certo e as técnicas adequadas, é perfeitamente possível reduzir (e clarear) em até 60% as manchas.

Em outras palavras, vem comigo entender o que é melasma, por que ele ocorre e como a cisteamina pode ajudar.

O que é Melasma?

O melasma é um distúrbio de pigmentação da pele, uma dermatose, caracterizada por manchas escuras acastanhadas, de forma e tamanho irregulares, que podem surgir em qualquer região facial.

A maior incidência de casos se dá pela exposição exacerbada à radiação solar, sem proteção adequada, seguida por fatores genéticos e também hormonais, relacionado ao desequilíbrio de estrogênio.

Falando de forma bem resumida:

Os gatilhos causadores do melasma, sejam eles hormonais ou do ambiente, ocasionam o desequilíbrio das funções dos melanócitos, que passam a produzir melanina em excesso.

E com isso desencadeiam o processo de hiperpigmentação da pele.

No Curso Online de Peeling Químico do Instituto Diogo Melo, você tem a oportunidade de aprender sobre melasma e muito mais.

O Melasma afeta mais frequentemente as mulheres e também pode ser visto em homens.

De acordo com pesquisas científicas 78% das mulheres terão melasma e, entre elas, 66% durante a gravidez. Resultado dos hormônios gestacionais que estimulam os melanócitos, fazendo-os produzir mais melanina.

Apenas 4% da população masculina está suscetível a desenvolver melasma durante a vida. Exclusivamente por conta de problemas de pré disposição genética.

Em tese, é mais raro em homens porque a produção de melanina no organismo masculino se dá de forma diferenciada, quando comparada ao feminino.

O melasma também pode ser extra facial, ou seja, acontecer no corpo. E geralmente aparece na pele dos braços, pescoço e colo.

Como a Cisteamina pode ajudar?

Primeiramente nós precisamos entender o que é a cisteamina.

Trata-se da mais nova e moderna substância do mercado para tratamento de melasma e redução de hipercromia da pele.

Ela é indicada para desordens de hiperpigmentação cutânea, por conta do seu alto poder clareador, e por atuar como um corretor de pigmentos.

A cisteamina é um antioxidante intracelular natural, produzido pelo próprio corpo humano, ou seja, ele é biocompatível com o nosso organismo.

E a sua versão farmacêutica, em creme/gel na concentração de 5%, é capaz de reduzir consideravelmente a melanina na epiderme, corrigindo o melasma e hiperpigmentações de origem pós-inflamatória.

O protocolo de peeling de cisteamina para melasma tem beneficiado principalmente os pacientes que apresentam o tipo resistente.

Isso porque a cisteamina é capaz de inibir a melanogênese, diminuindo a formação da melanina na área desejada.

É um tipo de procedimento bastante seguro, eficaz e indolor. Além de ser uma saída inteligente para pacientes que têm alergias a outros tipos de peeling, ou que simplesmente não respondem a outros procedimentos.

Sobre o Tratamento

Existem basicamente três tipos de melasma:

  • Melasma Epidérmico: É o tipo mais superficial. Ocorre pelo depósito de melanina nas camadas basais e suprabasais da epiderme.
  • Melasma Dérmico: Afeta o nível mais profundo. Esse tipo de melasma acontece quando a melanina atinge a derme superficial e profunda.
  • Melasma Misto: É o tipo mais difícil de tratar. O melasma misto é caracterizado pelo depósito de melanina, epidérmico e dérmico, no mesmo tecido.

É fato que quanto mais profundo for o pigmento, mais difícil será obter um bom resultado no tratamento. Mas isso não é motivo para desistir e mandar o seu paciente embora.

Esclareça para ele tudo a respeito do caso identificado, com informações claras, reais e jamais prometa resultados definitivos. Lembrando que melasma, até então, não tem cura.

A escolha ideal no tratamento do melasma vai depender do tipo de pele e do tipo e profundidade da mancha.

E para começar a ver os primeiros resultados, uma fase intensiva de tratamento (16 semanas) é indicada, seguida de uma segunda fase (2 vezes por semana), continuamente.

É preciso levar em consideração que apenas o gerenciamento e controle da mancha, com manutenção constante e cumprimento dos devidos cuidados, por parte do paciente fora do consultório, irão manter o melasma sob controle.

Para fechar esta publicação, está claro que fatores genéticos, mudanças hormonais e a idade afetam a produção de melanina do organismo humano, ocasionando o melasma.

Sem esquecer do principal (e mais preocupante) fator externo: A exposição à radiação solar de forma indiscriminada, sem proteção adequada.

E também é preciso evitar a luz visível, aquela emitida por lâmpadas, tela do computador, TV e celular, que podem ajudar a piorar as manchas.

https://youtu.be/_Oka9ZXJQf8

Comentários