Não perca nenhuma das nossas notícias e dicas. Assine a nossa newsletter!
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.

Liberação da toxina botulínica na Odontologia, uma nova aliada.

O CFO liberou a Toxina Botulínica na Odontologia e foi publicado no Diário Oficial da União uma nova alteração na resolução 112/2011 que traz a no seu Art 2º “O uso da Toxina Botulínica será permitido para procedimentos

Liberação da toxina botulínica na Odontologia, uma nova aliada.

O CFO liberou a Toxina Botulínica na Odontologia e foi publicado no Diário Oficial da União uma nova alteração na resolução 112/2011 que traz a no seu Art 2º “O uso da Toxina Botulínica será permitido para procedimentos

O lábio é a moldura do rosto, não adianta ter os dentes bonitos, mas o lábio torto

Wilson Carlos & Diogo Melo

O CFO liberou a Toxina Botulínica na Odontologia e foi publicado no Diário Oficial da União uma nova alteração na resolução 112/2011 que traz a no seu Art 2º “O uso da Toxina Botulínica será permitido para procedimentos odontológicos e vedado para fins não odontológicos”, sendo esta mais uma aliada para os mais diversos tratamentos das disfunções e deformidades orofaciais, vamos saber um pouco mais sobre o uso da toxina.

Um dos tratamentos mais recentes, empregado na terapêutica odontológica para atenuar problemas de assimetria facial, é a utilização da Toxina Botulínica. A substância, como sabido, é muito conhecida no meio estético por prevenir o envelhecimento. Contudo, em razão possuir também ação terapêutica, vem sendo utilizada por cirurgiões dentistas para melhoria da qualidade de vida dos pacientes. Logo abaixo segue a resolução da liberação da toxina botulinica:

CFO Libera Toxina botulinica

No final da década de 60, o oftalmologista americano Alan B. Scott, que buscava alternativas para o tratamento não cirúrgico do estrabismo, obteve do Dr. Edward J. Schantz, amostras da toxina botulínica tipo A para testá-la em músculos extra-oculares de macacos. A experiência foi bem sucedida e Scott publicou seu primeiro trabalho sobre o assunto em 1973,1 confirmando a toxina botulínica tipo A como uma alternativa eficaz para o tratamento não cirúrgico do estrabismo.

Ainda na década de 70, Scott recebeu autorização do FDA (Food and Drug Administration), órgão que regula o setor de medicamentos dos Estados Unidos para utilizar a toxina em seres humanos, conduzindo estudos durante os anos de 1977 e 1978. Ele descobriu que o produto, quando injetado, relaxava os músculos. Deduziu então que uma aplicação local – em determinados músculos – interrompia momentaneamente o movimento muscular anormal e, dessa forma, corrigia o problema.

E foi a partir do uso terapêutico, que surgiu o uso cosmético

Apesar de não existir face que seja perfeitamente simétrica, pode ser considerada assimétrica aquela em que exista uma desarmonia perceptível entre as características de um determinado traço facial e o seu correspondente localizado do lado oposto do rosto.

As assimetrias podem ser provenientes de anomalias do crescimento da face, de processos patológicos, de lesões encefálicas, de traumatismos, de derrames cerebrais, de paralisias faciais, dentre outras patologias.

A aplicação da toxina tem ganhado espaço nos consultórios odontológicos por proporcionar a esses pacientes uma diminuição considerável nas dores e desconfortos, além de contribuir para um sorriso mais harmônico.

O uso da toxina botulínica, e sua aplicação na terapêutica odontológica, tem sido objeto de cursos ministrados pelo cirurgião dentista Wilson Carlos Mendes, que, atua no ramo há mais de 09 (nove) anos, já soma quase Setenta cursos realizados, contando com a parceria do Dr. Diogo Melo. Dentre as varias capitais do brasil que recebem o curso podemos destacar algumas como São Paulo SP, Cuiabá MT, Ribeirão Preto, Rio de Janeiro, Uberlândia, Uberaba, Apcd São Caetano, Apcd Mogi das Cruzes.

https://www.youtube.com/embed/lo_6U4dep9k

Uso da toxina botulínica na odontologia

A toxina botulínica é uma medicação que, injetada em determinados músculos, diminui a amplitude de seu movimento, proporcionado um relaxamento muscular.

A toxina botulínica tipo A (C6760H10447N1743O2010S32) é um complexo protéico purificado, de origem biológica, obtido a partir da bactéria Clostridium botulinum. O Clostridium botulinum é uma bactéria anaeróbia, que em condições apropriadas à sua reprodução (10°C, sem oxigênio e certo nível de acidez), cresce e produz sete sorotipos diferentes de toxina – conhecidos como A, B, C1, D, E, F e G. Dentre esses, o sorotipo A é o reconhecido cientificamente como o mais potente e o que proporciona maior duração de efeito terapêutico.

Quando a toxina é aplicada, ela bloqueia a liberação de acetilcolina (neurotransmissor responsável por levar as mensagens elétricas do cérebro aos músculos) e, como resultado, o músculo não recebe a mensagem para contrair e relaxa. Com isso, a pele ganha um aspecto mais sereno.

Indicações de tratamentos em que a toxina pode ser empregada:

  • Dor facial – sensação dolorosa provocada por alterações na articulação que liga o maxilar à mandíbula. Nessa região está localizado um complexo sistema de músculos, ligamentos e ossos. A toxina será aplicada diretamente no músculo onde está localizada a dor, evitando-se assim os indesejados efeitos colaterais do uso de medicamentos.
  • Cefaleias – a toxina também auxilia no tratamento das cefaleias tensionais, relacionadas ao estado de tensão e sobrecarga, resultante de contratura e espasmos musculares. O uso da toxina prolonga o espaço entre as crises.
  • Reabilitação de pacientes com assimetrias – pacientes que tiveram derrame (avc), submetidos a intervenções cirúrgicas, e tratamento oncológico por muitas vezes apresentam falta de harmonia facial com  as aplicações do medicamento gradativamente podemos normalizar sorrisos que elevam mais um lado do lábio superior do que o outro assimetrias e recompor a harmonia do sorriso
  • Bruxismo – A hiperatividade dos músculos da mastigação desencadeia o atrito entre os dentes, causando o seu desgaste e dor. O especialista explica que a Toxina Botulínica age relaxando os músculos da mastigação que estão em hiperfunção, principalmente o masseter e o temporal. Ao aplicar a toxina, a tensão diminui e, assim, o musculo não tem mais força suficiente para promover o atrito entre os dentes, devolvendo-lhe o estado de normalidade. O procedimento é seguro e não há qualquer comprometimento motor da boca. É um tratamento eficiente, feito em alguns minutos com agulha fina, como a usada para aplicar insulina, e com alto grau de satisfação relatado pelos pacientes, salienta.
  • Sorriso gengival – disfunção em que a gengiva é exposta em excesso quando a pessoa sorri. A toxina é aplicada nos músculos responsáveis pelo sorriso, até parar de expor a gengiva excessivamente. “Uma das maiores vantagens é que o paciente não necessita ser submetido a procedimento cirúrgico em grande parte dos casos”.
  • Implantes Dentários – A toxina botulínica é muito útil ainda na preparação dos músculos da boca do paciente que vai fazer implante dentário. A substância ajuda no relaxamento da musculatura, o que favorece a adaptação ao uso de próteses dentárias e o que melhora as condições de osseointegração dos implantes.

Contra indicações do tratamento

O tratamento não deve ser indicado para: gestantes e lactantes, bem como ao indivíduo que fez uso recente de antiinflamatórios ou recebeu nos últimos quatro meses a vacina antitetânica.

O uso da toxina também não é indicado para pessoas que sofrem de depressão, devido ao seu estado emocional, o paciente depressivo pode ser conduzido para um quadro de dismorfofobia, o qual se caracteriza por uma preocupação exagerada ou distorcida sobre a própria aparência, portanto, o paciente depressivo dificilmente ficará satisfeito com o tratamento.

Durabilidade do efeito das aplicações

As toxinas são substancias reversíveis, para se evitar qualquer tipo de rejeição ou complicação. Portanto, é necessário realizar o retoque no espaço de tempo entre seis a oito meses, dependendo do caso.

Podemos observar os resultados de 24 horas a 15 dias após a aplicação e pico máximo de ação com 3 meses, após este período teremos a perda gradativa da substancia.

Cuidados após o procedimento:

  • Após a aplicação da toxina, o paciente deve se manter em posição vertical, sem deitar ou apoiar o rosto, não pode ficar com a cabeça mais baixa que o corpo ou aplicar qualquer tipo de produto no rosto com exceção de água, durante as quatro primeiras horas.
  • Deve-se evitar a realização de atividade física nas primeiras 24 horas.
Acido Hialurônico, Uso do Varioderm para preenchimento facial.

O material abaixo faz parte do Curso de Tóxina Butolínica e Preenchimento Facial com Prof. Wilson Carlos Mendes e Diogo Melo.

Comentários
Diogo melo

Olá, em que podemos te ajudar?
Nós chame se precisar de algo!

Converse conosco